sexta-feira, 26 de julho de 2013

A menina que espera

(escrito em 2011)

O que hei de esperar na vida
Se o relógio passa como um foguete
Se a vida passa e deixa rastros ou rugas
O que devo esperar? e quanto?

Como ser eu mesma nesse mundo
Que nem me espera nascer
E já me cobra como adulta?

A vida é vasta em mim
E curta fora de mim
O tempo me diz pouco sobre ele mesmo
Mas me diz o bastante para que saiba
Que devo esperar... esperar...

Mas, espero com desejo
de que o tempo nao passe
Estou confusa e nao sei se devo
Esperar que o tempo mude, passe ou pare

Prefiro dormir em meu quarto cheio de mitos,
monstros (de pelúcia) e panos com meu cheiro
A vida é maior que a minha alma
Não sei esperar nada da vida
Não sei o que é vida

Eu apenas quero a vida
Pois a vida é o meu desejo!
E isso nunca vai passar.

2 comentários:

  1. E a menina esperou do meu lado, estávamos sentadas em um banco quente na pracinha dessa monótona cidade. E olha que batemos um papo interessante viu? Até o sol se pôr, o dia acabar e a vida... EI, ESPERA!!! ops, passou.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso poema, Adeilson! -Clara Regina

    ResponderExcluir